O que podemos aprender com as Olimpíadas?

Em tempo de olimpíada o nosso coração fica a flor da pele. A cada jogo, a cada vitória, a cada medalha, é possível sentir a emoção dos atletas que lutam para conquistar o seu sonho. E não importa de quem seja a conquista, para mim, que sou espectador, todas elas são inesquecíveis.

De todas as que presenciei nesta competição, um dos momentos mais emocionantes para mim foi a conquista do Diego Hypólito. Depois de competir duas olimpíadas e perder as duas, ele finalmente foi medalha de prata na ginastica artística. Quem o viu, percebeu sua emoção contagiante. Era impossível assisti-lo comemorando e não se emocionar com sua vitória.

Mas o que determinou o seu sucesso? Qual a chave mestra que ele utilizou para abrir a porta do seu sonho depois de tantas tentativas?

“…ele venceu porque agiu da única forma capaz de formar vencedores. Já sabe qual foi seu grande segredo? Simplesmente ele não desistiu do seu sonho.”

Ele fez o que todos os grandes homens fazem. Ele utilizou o segredo que é comum a todos os que vencem. Posso dizer que ele venceu porque agiu da única forma capaz de formar vencedores. Já sabe qual foi seu grande segredo? Simplesmente ele não desistiu do seu sonho.

Diego Hypólito treinava desde os 7 anos de idade. Mesmo tendo sido campeão em vários torneios pelo mundo, ele não havia ganhado nenhuma medalha em olimpíadas. Em 2008 quando competiu pela primeira vez na olimpíada de Pequim, já na prova final, caiu no chão durante a execução do exercício de solo. Em 2012, na olimpíada de Londres, mais uma vez ele ficou fora da final após sofrer outra queda.

Depois de duas grandes derrotas olímpicas, Diego tinha tudo para nem pisar na Olimpíada de 2016, mas algo foi construído dentro dele com muito esforço: confiança. Mesmo tendo caído nas últimas duas olimpíadas ele não desistiu. Certamente teve vontade, mas resistiu. Com certeza algumas pessoas próximas o aconselharam a não prosseguir com o seu sonho. Se quando era mais novo não havia conseguido, quanto mais agora que completara 30 anos. E o pior foi que ele quase acreditou nessas pessoas, mas o seu sonho foi maior. Seu sonho de conquistar uma medalha olímpica foi muito maior do que sua vontade de jogar tudo para o alto. Ninguém acreditava mais nele. Ninguém o considerava mais um favorito. E foi nesse momento que ele deu a volta por cima.

“Sua história de superação só reforça o maior diferencial dos que conquistam seus sonhos. Eles simplesmente não desistem. Eles colocam o seu propósito na cabeça, acreditam nele e não largam por nada.”

Enquanto todos desistiam dele ele acreditou em seu sonho. Acreditou, se preparou e contra qualquer perspectiva deu a volta por cima e conquistou sua medalha de prata que teve cor de ouro. Sua história de superação só reforça o maior diferencial dos que conquistam seus sonhos. Eles simplesmente não desistem. Eles colocam o seu propósito na cabeça, acreditam nele e não largam por nada.

Veja que a questão não está relacionada com a quantidade de vezes que ele caiu. Só em olimpíadas ele caiu duas vezes, mais uma dezena de vezes em outros campeonatos e certamente milhares de vezes em seus treinos. A questão do sucesso nunca esteve relacionada a quantidade de vezes que caímos, mas com a quantidade de vezes que levantamos após cair. É o levantar que determina um vencedor. É a força que vem depois da porrada que faz o lutador conquistar seu objetivo.

As quedas fazem parte da caminhada de todos aqueles que buscam a excelência no que fazem, seja nos esportes, seja nos estudos, seja nas outras áreas da sua vida, o que fará de você um vencedor não é a queda, mas o levantar.

“Quem aprende a levantar depois de uma queda, já se levanta mais forte, mais experiente e não tem como isso ser ruim.”

Quem aprende a levantar depois de uma queda, já se levanta mais forte, mais experiente e não tem como isso ser ruim. Força e experiência só se adquirem com vivencia e para isso é preciso ter coragem de enfrentar todos os desafios da nossa vida. E às vezes você cairá. E cada queda vai doer. Mas eu tenho certeza que se você acreditar na beleza do seu sonho, uma nova oportunidade vai surgir e você vai vencer. Eu termino esse aprendizado com um trecho da entrevista do Diego logo após receber sua medalha. Emocionado disse: ”Em Pequim caí de bunda, em Londres caí de cara e hoje caí de pé”. O que podemos aprender com as olimpíadas? Que nunca devemos desistir dos nossos sonhos!

 

Para ler o artigo diretamente no site do Grancursos, acesse o link clicando aqui:

clique aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *