Artigo do Jornal dos Concursos: E se duvidarem de você?

Você já se deparou com alguém em sua vida que duvidou da sua capacidade de atingir algum objetivo?
É bem provável que sua resposta seja sim. É comum sermos postos a prova diante dos nossos objetivos. A situação se agrava quando a manifestação surge de alguém próximo, alguém que amamos, como familiares e amigos. Ser posto a prova por alguém que admiramos é algo que pode nos abater de forma irreparável. Neste artigo quero falar exatamente para você que tem alguém em sua vida que sempre duvida da sua capacidade. Apresentarei três atitudes que podem te proteger do efeito destruidor causado pela opinião alheia que tem colocado em cheque sua capacidade de vencer na vida.
A primeira atitude é praticar a empatia. É preciso entender que às vezes, as pessoas duvidam de você sem perceber o que estão fazendo. Elas agem conforme o aprendizado que tiveram na vida. Lembro-me da minha mãe que sempre duvidava da minha capacidade. Suas palavras negativas me afetavam demais, até o dia que entendi que esse havia sido o aprendizado que tivera dos seus pais. A educação é algo impressionante. O que aprendemos repassamos. Quando somos motivados, aprendemos a motivar. Quando somos desanimados, aprendemos a desanimar. Um exercício de empatia pode te ajudar a se colocar no lugar dessa pessoa e entender que suas razões para agir dessa forma são mera consequência do que ela aprendeu ao longo da vida. Logo, o que ela acha de você é apenas a percepção que ela tem com os valores que ela desenvolveu ao longo da sua vida.
A segunda atitude é assumir o controle sobre o poder das palavras. Você precisa entender que nós temos a capacidade de aceitar ou não as opiniões desanimadoras das pessoas. Existe um pensamento popular de que a palavra tem poder e isso é um fato. Mas a grande questão é: com quem está esse poder? Com quem fala ou com quem ouve? Se você for daqueles que acreditam no poder de quem fala provavelmente seu estado emocional será facilmente influenciado pelas palavras dos outros. Essa relação de sujeição rouba sua autonomia de vontade ao alimentar uma relação de dependência, de escravidão emocional. Agora, se você resolve ter uma atitude emancipatória em relação ao poder das palavras e decide que todo o poder está com você que ouve, tudo muda. Quando assumimos o poder sobre o que ouvimos, atingimos a capacidade de escolher quais palavras serão recebidas e quais serão ignoradas. Quando o poder da palavra está com quem ouve, os outros poderão falar o que quiser que só me atingirá aquilo que eu escolher e permitir.
A terceira atitude está atrelada a chamada fé pessoal. Fé pessoal é autoconfiança. Tem a ver com o que você pensa sobre si mesmo. Deixa eu te dizer uma coisa: a única opinião que importa na sua vida é a que você tem de si mesmo. Basta que você acredite para que consiga o que quer. Se alguém te afirmar com todas as letras que você é um fracassado e que nunca conquistará nada na vida, essa pessoa apenas considerou o que ela acha de você. Sabe o quanto isso importa para a conquista dos nossos sonhos? Nada. A única opinião que importa é a que você tem de si mesmo. O mundo todo pode duvidar, mas se você acreditar, conquistará o que quiser. Repito, você é quem decide se pode ou não fazer. É você quem escolhe se tem capacidade ou não de conquistar o que quer. Se não acreditar em si mesmo, por mais que outros acreditem, nada mudará na sua vida. Agora, se você acreditar e si mesmo, por mais que o mundo todo duvide, isso não fará diferença alguma na sua vida.
Perceba então como se proteger da descrença das pessoas que estão em sua volta. Primeiro faça um exercício de empatia e coloque-se no lugar dessa pessoa até entender que ela é fruto do aprendizado que teve em sua vida. Depois assuma o poder sobre a palavra, o poder de escolher o que deve influenciar a sua vida ou não. Em terceiro, acredite em você. Nada é mais poderoso do que a fé pessoal, ela move montanhas. Com estas atitudes eu tenho certeza que você conquistará todos os seus objetivos e neutralizará qualquer opinião desacreditadora acerca da sua pessoa. Assim, respondendo a pergunta que fiz lá no início, se alguém duvidar de você, surpreenda-o conquistando a vida que sempre quis.
Postagem publicada no Jornal dos Concursos .

8 Comentários

  • Tenho 35anos.Passei 11anos da minha vida ouvio meu ex-marido dizer que eu era um nada, sempre quis estudar e ele nunca me apoiou, hoje sou casada com uma pessoa que me ajuda, inclusive com relação a estudar para concursos, mas estou sem forças. Estou desempregada, morando na casa dos meus pais,totalmente endividada, desmotivada, sem expectativa, estou bem enferrujada para estudos,preciso de um norte. Parabéns Daniel, lhe admiro muito, você é muito inteligente e todos os seus gestos para ajudar as pessoas a crescerem na vida são louváveis. Um grande abraço e que Deus continue iluminando sua vida. Ah! Amei o artigo😉

  • Show de bola Professor, vamos lá! dar o Gás! obrigado! suas palavras nos dar um conforto uma forma de manter a nossa base sólida. firme diante das adversidades! Abraço!

  • Professor Daniel Sena, bom dia! Conheci você através da indicação de um amigo e simplesmente estou fascinada com seu modo de ser, de ver a vida e o poder que tem de motivar as pessoas! Me inscrevi no seu canal e quero lhe acompanhar sempre, pois pessoas como você fazem a diferença na vida de qualquer ser humano! Muito obrigada e que Deus lhe abençoe sempre! Forte abraço. Fran

  • Daniel você sempre sabe o que fala, sabe exatamente qual palavra usar para tocar o nosso coração e nos fazer acordar pra vida! Muito obrigado por cada conselho e espero muito que você viva muito anos para poder aconselhar-nos por muito tempo. Adoro muito você e te desejo toda sorte do mundo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *